fbpx

Alcool e Gravidez

2 minutos para ler

Sabemos que o uso de bebidas alcoólicas em nossa sociedade é muito comum, estando associado a momentos de relaxamento e integração social. Por isso é frequente o questionamento de gestantes sobre a possibilidade de manter a ingestão dessas bebidas durante a gravidez. Embora as pessoas tenham conhecimento de que o uso excessivo de álcool possa causar problemas ao feto, muitos tem a crença de que a utilização em baixas doses não trariam consequências para o bebê.

Venho aqui hoje orientar e explicar os problemas que o uso desse tipo de bebida, mesmo em pequena quantidade, pode causar.
O álcool é capaz de atravessar a placenta, seus níveis no sangue fetal aproximam-se dos níveis sanguíneos maternos em torno de 2 horas após sua ingestão e, assim, pode acabar danificando o cérebro e outros órgãos fetais.

Embora saibamos que quanto maior a quantidade de bebida ingerida maior a gravidade das lesões, não foi possível estabelecer uma dose que garantisse a saúde do bebê. Pesquisas em humanos não foram capazes de determinar uma quantidade, nem um período de exposição pré-natal seguro.

Alguns estudos em animais demonstraram que o álcool pode prejudicar qualquer fase do desenvolvimento embrionário. Bom, já ficou claro que o álcool interfere negativamente na gravidez, agora vou explicar como esses
distúrbios se apresentam.

Mesmo em baixa quantidade, o uso de bebidas alcoólicas foi associado a parto prematuro, crescimento intrauterino restrito, alterações renais e cardíacas, danos cerebrais, alterações comportamentais e dificuldade de aprendizado. A manifestação mais grave é conhecida como síndrome alcoólica fetal, tal síndrome compreende uma série de alterações que podem afetar toda a vida de quem foi exposto a essa substância no período fetal.

Algumas das características presentes nessa síndrome são alterações craniofaciais, malformações, dificuldade de aprendizagem e de relacionamento, hiperatividade e atraso no desenvolvimento. Portanto, o
consumo de álcool durante a gravidez está relacionado a diversas condições irreversíveis que geram problemas de saúde ao longo de toda a vida do indivíduo afetado. Por todos esses motivos a ingestão de qualquer dose de bebida alcoólica na gravidez está contraindicada.

Por Dra. Layna Almeida
Ginecologista especialista em Reprodução Humana.

Você também pode gostar

Deixe um comentário